Beijos insanos. Toques profanos.

Tudo era real. Eu a conseguia tocar. Nada de sonhos, nada de mentiras, apenas a realidade. Naquele momento pude ver que no mundo ainda há coisas perfeitas. O amor? Não sei, pelo menos ainda.

A música encharcava nossos ouvidos lentamente, isso só tornava o momento mais especial. Conseguia ver naqueles olhos a sinceridade. Naqueles braços me senti seguro. Senti-me protegido do frio que insistia em entrar pela janela.

O toque dos nossos lábios era algo suave e doce. Tudo aquilo era como uma droga pra mim, eu estava inebriado com o aroma e com as cores que nos envolviam.

Sentia aquelas mãos puras percorrerem o meu corpo. E, nas minhas mãos, eu senti aquele corpo admirável.

O encontro das mãos, o encontro dos rostos, o encontro das bocas, o encontro dos corpos... As almas se encontravam. A união perfeita. O santo e o profano.

Ela era real... disso eu sabia.

4 comentários:

  Thi@go

4 de maio de 2009 18:31

Hum... muito legal Medeiros! Escritor de mão cheia heim!!!
PARABÉNS!

  RAYANNE

11 de maio de 2009 22:45

meU romeU adoreEIii...perfeito0..

"O toque dos nossos lábios era algo suave e doce. Tudo aquilo era como uma droga pra mim, eu estava inebriado com o aroma e com as cores que nos envolviam."

perfeito0..

  Ana Cristina

22 de maio de 2009 23:18

fico orgulhosa de quão bom escritor é vc!! Parabéns! Te amo muito: Cris

  nedna

21 de fevereiro de 2010 16:36

a cada dia que passa eu me orgulho de sua amiga.... seus textos sao uns mais belos que os outro!!!!
te adoro!!!!