Fake Life

Marília estava sentando em sua habitual cadeira, confortavelmente respirava o ar doce da varanda de sua casa. Era uma velha solitária. Não tinha nada e ninguém.

Há anos vivia penando com a solidão dentro daquele antro de fantasmagóricas lembranças. Estava exatamente com 72 anos.

Mas ela já havia sido jovem, voltemos no tempo, 50 anos. Marília com 22 anos. Uma bela jovem, com rosto delicado, cabelos escorridos sobre os ombros e um corpo esculpido, talvez, por Michelangelo.

No auge de sua juventude conhece Nicolau, um homem 10 anos mais velho que ela, não tão bonito, mas charmoso. Marília se apaixona. Nicolau se apaixona. Os dois passaram a se amar.

Tiveram momentos magníficos, correndo na areia da praia, trocando carícias na roda gigante ou sentido o calor da cama desarrumada. Era tudo perfeito.

Casaram-se. Foram felizes por um ano, até Nicolau sofrer um acidente automotivo e morrer longe de sua amada.

Para ela só restou a casa, e foi ali que ela viveu esperando o seu amor voltar. Até hoje, quando o viu aproximar-se da varanda e tocar os seus lábios.

Um vizinho encontrou Marília Dantas Cruz morta na varanda da velha casa.

A morte é a realização de sonhos impossíveis.

2 comentários:

  Izabel

6 de abril de 2009 13:25

Assim como na vida de Marília, tantas coisas que nos satizfaz acabam por acabar tão cedo, tão precocemente... quantas vezes não temos pressa em sermos felizes? Quantas vezes deixamos de lado a nossa vontade de viver com alegria por cauda do orgulho desmembrado dentro de nossas almas? Quantas vezes precisamos perder para aprender a valorizar o nosso tempo? Eis uma pequena pergunta! O que nos faz entre a Vida e a morte senão o absurdo tempo? O que significa o tempo para nós?
O que passou?
O que virá?
não!!!!
o Nosso tempo é o presente!
É o que temos! Agora!
É nosso maior presente!
Saber viver!
Saber amar!
Saber aproveitar as coisas boas!
e tambem as goisas más!
Saber aproveitar o nosso tempo!
ter pressa em ser feliz!
ter pressa em fazer o outro feliz!
Pois não sabemos o dia de amanha!
E mesmo que o pior não aconteça conosco, assim como Marília, velorizemos o tempo presente para que amanha não precisemos usar da saudade como um castido pelas oportunidades que tivemos e simplesmente não valorizamos!


LOve you Medê!!!!!

  SrTª

6 de abril de 2009 15:11

:-Estária mentidOo se as palavras deste escritor não tivesse me comovido...
Não porque ele não é capaz mas porque nunca encontei um amor lindoo assim.

Isto só podia ser descrição do meu MAX:-


Medeiros te adoroOo:

By;Aninháaa