O "Complexo do eu"



Boa noite galera.

Hoje acordei com uma confusão na cabeça. Me vi com a seguinte pergunta: Quem eu sou?
Cheguei a seguinte conclusão: não sei.

Acho que você já passou pela mesmo coisa. Resolvi chamar isso de "complexo do eu". Isso mesmo, estou complexado. Não sei quem eu sou, nem sequer sei os meus objetivos no mundo. Se for pra falar de objetivos acho melhor não ter nenhum. Vi algumas curiosidade na Wikipédia e descobri que alguns animais, tipo as abelhas(operárias), morrem quando realizam suas tarefas. Concluí que não quero ter objetivo... Raciocionem comigo: Eu estipulo uma meta em minha vida, passo anos tentando realizá-la, um dia consigo, alguns minutos de comemoração... E agora? O que vou fazer? Estipular outra meta? Não... Isso não existe, pelo menos pra mim.

Prefiro viver a vida de forma "livre"... Como diria Zeca Pagodinho: "Deixo a vida me levar".

Mas, a questão maior não é um objetivo de vida e sim a descoberta do meu verdadeiro "eu". Bobagem né? Concerteza. Mas é uma bobagem interessante. Se você disser que nunca se perguntou "Quem sou eu?" eu vou disser que você é um alienado que vive assistindo novela mexicana e ouvindo os forrós atuais (sem preconceitos).

Já comecei a procurar a cura para o "complexo do eu". Pensei em procurar um psicológo. kkkkkk... Que loucura. Mas desisti, de acordo com alguns depoimentos isso passa. Depois de um tempo a gente se descobre em alguém ou em algo. Daí tudo fica bem.

Por enquanto que isso não acontece comigo vou por aí tentando me definir. Ou melhor, faço como Renato Russo: "Acho que não sei quem sou, só sei do que não gosto".

Agradeço pela atenção

Abraços

4 comentários:

  Rafael sem h

16 de abril de 2009 09:48

Este comentário foi removido pelo autor.
  Rafael sem h

16 de abril de 2009 09:49

Hummmm...Acho que o nome disso á "complexo de nós", porque tem um tanto de gente que passa viu!! rsos
O pior é quando as coisas que fazem sentido nesse mundo - ganhos materiais, lucro (virtual ou n), ostentação, estudos "científicos",etc., perdem o sentido pra vc. Quando você se pergunta "quem sou eu?", olha ao redor, não sabe a resposta, mas passa a ver os valores assumidos pela humanidade dentro dessa sociedade consumista como superficiais, além de você perceber que eles deixam um enorme vazio dentro de vc...

Enfim...é como escrevi também quando tive a minha crise: "Quem eu sou? Sou uma resultante de mais uma batalha de antíteses... Resultante que não quer resultar...por preferir os movimentos..." E a meta...a meta é ir sempre além do já alcançado!

Gostei do blog!! ; ) Add nos favoritos pra acompanhar!

Abraço.

  Isaac

18 de abril de 2009 23:11

Primeiramente... Todos se pegam nessa pertinente pergunta... " Quem sou eu?" A resposta parece simples... Eu ACHO (só sei que nada sei) que eu, assim como você, somos resultados do que vivemos... a vida nos molda de acordo com as necessidades... Objetivos , ao menos pra mim, são razões prá você continuar vivo... Se não há objetivos, não há razão prá viver, se não há razão prá viver, não há razão de se perguntar, "quem sou eu"... Você, assim como eu, somos únicos!

  Rodrigo Fonseca

18 de abril de 2009 23:49

Embora seja original, esse seu questionamento vem sendo usual e corriqueiro...
os primeiros filósofos já "perdiam" tempo na tentativa de solucionar tal prolema!
no entanto, a busca pela solução desse, deve ser interna, não uma introspecção, como acreditava Freud! e se ele não estava certo, eu (intelectual que não sou)prefiro nem opinar... Então digo que essa caminhada interna é o maior roteiro já traçado pelo homem, pois vai até os confins da existência, até a origem daquilo que sempre existiu (que contraditório não ...)é a lógica cosmológica que não faz o mínimo de sentido. entendeu? não!? nem eu... mas ainda estou vivo... ou não...? vai saber...