Palavras Homonímas


As minhas mãos que fluem pelo teu talhe não são as mesmas que te acariciam o rosto.

3 comentários:

  Anônimo

8 de abril de 2010 17:27

Gozei.. hauahauahua


Brincadeiras à parte, gostei muito do texto e da maneira suave e poética de como ele trata um tema tão simples e tão polêmico: a entrega de dois corpos, o ato sexual.

Se a "entrega" foi tão intensa quanto o texto é sinal de questão a caminho de algo maior que o sexo, o amor.

  Einstein²

8 de abril de 2010 20:28

Adorei o blog! O design tah agradável, os textos estão suaves e deliciosos! Esse em especial está convidativo, essas mãos. Hummm, perfeito. Seguindo te com prazer!

  Dessynha

13 de abril de 2010 15:08

espetacular esse texto ameii