Fulga

Em fugaz armadilha da verdade,
Eu escrevo tristes versos.
Lanço meu coração sobre eles
E me perco vagando entre os mesmos.
Numa pausa frenética, pergunto ao vento:
- Que desgraça é essa que me deixa tão feliz? O amor?

5 comentários:

  Niko Travesso

10 de maio de 2010 17:22

realmente o amor eh como uma desgraça as vezes!
Rodrigo adorei a critika q vc fez no blog drehluvz...+1

http://nikomoska.blogspot.com/

  Débbiie

11 de maio de 2010 15:13

''o amor é uma encrenca, que quando você menos imagina já está todo enrrolado e envolvido.''
faz tanto tempo, que não sinto essa felicidade tão fugaz.
*-*
é ate reconfortante seu post, e você escreve MUITO meew.

  IBANEZ

11 de maio de 2010 15:17

Orra ...recita esse poema na orelha de uma mina deve ser sucesso na certa ! ahhaha

nice post man !

http://deposito66.blogspot.com/

  Lucas Quaresma

11 de maio de 2010 15:52

realmente , ficamos perdido as vezes, otima reflexão , o amor pode e consegue mudar nossos rumos

  Karla Hack

26 de maio de 2010 14:40

"pausa frenética" Amei esta expressão!
Só pode ser amor...
Só ele é uma desgraça feliz
Uma contradição de si!

;D