Chegou... e se foi.


Leia ouvindo "Trajetória" por Maria Rita.


E antes d’Ele tudo era preto-e-branco.
Num dia preto-e-branco, Ele chega.
Ele se chega.
Ele aconchega.
O preto vira branco e o branco vira preto.
E do preto que era branco, fluem os vermelhos, flui o calor.
E do branco que era preto, escorrem os azuis, nasce o conforto inquieto das poucas horas sem Ele.
Com Ele, a efusão de cores se espalha... os tons de cores se transformam em formas, sabores e mais milhões de cores.
De sorrisos, de risos.
De egos, de alter egos.
E a “vida” ganha Vida.
Ele te descobre.
Te permeia.
Te penetra.
Te semeia.
De cores.
Até que a o fim se faz notório, e ele vai.
E leva com ele as magníficas cores.
Até o falso preto-e-branco se vai.
E só resta o preto-e-branco da escuridão.
Chegou... e se foi, o Amor.

12 comentários:

  Rubi

27 de julho de 2011 14:05

Há tempos que não passava por aqui,não? E pelo que vejo, seu blog está a cada dia melhor. Essa sua combinação musica+texto é ótima; agora mesmo estou ouvindo Maria Rita.

  diogo

27 de julho de 2011 14:26

da pra viajar ouvindo esse poema, muito bem escrito e a musica de fundo escolhido tb é linda
sucesso

  Karla Hack dos Santos

27 de julho de 2011 14:57

Com certeza... o amor parece transformar o mundo em cores inéditas.. a existência em vida... e, nesta loucura toda, chega e se vai.

Belos versos!

;D

  Rui Carlos

27 de julho de 2011 15:18

nem gosto de poema...
:(

  Fabricio bezerra da guia

27 de julho de 2011 15:24

suspense pra saber do que o texto falava.o problema do amor é que é ruim com ele e ruim quando ele se vai

  Lulis Paz

27 de julho de 2011 15:40

Um amor que colori qualquer vida preta e branca /own

Nossa que lindo poema *-*
tu que escreveu?


to te seguindo, se puder segue de volta e comenta :D

www.luliskd.blogspot.com

  LOMPHSON!

27 de julho de 2011 15:54

parabéns

http://prefiromorrerdoqueperderavida.blogspot.com/

  Anônimo

27 de julho de 2011 16:54

Medeiros você é um alguém sublime, de alma desprendida e uma mente avassaladora,por isso é uma honra ler seus textos tanto como amiga como fã!!Grande beijo te adoro
Jussara Tavares

  Amanda Dornelles

28 de julho de 2011 00:14

tempos que não via textos novos no seu blog, e confesso, do último, que não tem nenhum comentário ainda, eu realmente não gostei.
Mas que seja.
Sobre esse texto, fantástico. Gosto do jogo de palavras que tu sempre usa nos textos, fazem quase que um desafio quando se está lendo. :D
fiquei procurando qualquer coisa pra fazer uma crítica construtiva, mas porra, não tem. Parabéns :D

_______________________________________

sim, Augusto dos Anjos tem BEM A SUA cara. Sério. AUEUAHEHAHEUHA

  Anjo Noturno

1 de agosto de 2011 13:21

Não sou fã de maria rita mas o poema esta lindo mesmo sendo o amor um mal necessário.
Passa la tbm..
http://www.estigmaangel.blogspot.com/
Bj e boa semana

  Adjanir

29 de agosto de 2011 11:30

Suas poesias são de uma musicalidade incrível! Dá até vontade de sair cantando. Se você permitir, gostaria de por melodia em uma delas qualquer desses...

  Elisa Cunha

18 de novembro de 2011 13:09

É... a combinação funcionou muito bem.